top of page

Meta mundial estabelecida na COP28

Em 2023, a capacidade renovável global aumentou em impressionantes 50% em relação a 2022. Nos próximos cinco anos, presenciaremos um crescimento sem precedentes, com financiamento insuficiente representando um desafio crítico para as economias emergentes e em desenvolvimento.




A oportunidade de triplicar a capacidade global de geração de energia renovável até 2030 está se expandindo mais rápida do que nunca nas últimas três décadas, de acordo com um novo relatório da Agência Internacional de Energia (AIE). Na conferência sobre alterações climáticas COP28, realizada no mês passado, os governos estabeleceram esse objetivo. A quantidade de capacidade de energia renovável adicionada aos sistemas de energia em todo o mundo cresceu 50% em 2023, chegando a quase 510 gigawatts (GW). A energia solar fotovoltaica foi responsável por três quartos dessa adição global, de acordo com o Relatório anual de mercado da IEA sobre o setor, chamado de Renewables 2023.


O progresso mais significativo foi registrado na China, que instalou a mesma quantidade de energia solar fotovoltaica em 2023 que todo o mundo em 2022, além de ter aumentado suas adições de energia eólica em 66% em relação ao ano anterior. Na Europa, Estados Unidos e Brasil, os incrementos na capacidade de energia renovável também atingiram recordes históricos.


O último estudo realizado é a primeira análise completa das tendências globais na implementação de energias renováveis desde a conclusão da conferência COP28 em Dubai, em dezembro. De acordo com o relatório, espera-se atualmente que a capacidade global de energia renovável atinja 7.300 GW durante o período de previsão entre 2023 e 2028, considerando as políticas e condições de mercado existentes. A energia solar fotovoltaica e a energia eólica serão responsáveis por 95% desse crescimento, superando o carvão como a principal fonte de produção de eletricidade global no início de 2025. No entanto, mesmo com o crescimento sem precedentes nos últimos 12 meses, é necessário que o mundo vá além para triplicar sua capacidade até 2030, como acordado pelos países na COP28.


Além do relatório, a AIE apresentou um novo Rastreador de Avanço em Energias Renováveis, que possibilita aos usuários investigar informações passadas e previsões em âmbito local e nacional, incluindo o monitoramento do progresso rumo ao objetivo de triplicação.


"Segundo o mais recente relatório da Agência Internacional de Energia (AIE), a capacidade global de energia renovável está se expandindo significativamente, devendo aumentar duas vezes e meia até 2030. Embora ainda não seja suficiente para alcançar a meta estabelecida na Conferência das Partes 28 (COP28) de triplicar o uso de energias renováveis, estamos caminhando na direção certa. Os governos desempenham um papel fundamental nesse processo, pois possuem as ferramentas necessárias para preencher essa lacuna", afirmou Fatih Birol, Diretor Executivo da AIE.


A energia eólica terrestre e a energia solar fotovoltaica estão se tornando cada vez mais acessíveis, sendo mais baratas do que as novas usinas de combustíveis fósseis em quase todos os lugares, e mais baratas do que as usinas existentes na maioria dos países. Apesar disso, ainda enfrentamos desafios significativos, como o difícil cenário macroeconômico mundial. Para superar esses obstáculos, é crucial que a comunidade internacional intensifique o financiamento e a implementação de energias renováveis em economias emergentes e em desenvolvimento, muitas das quais estão sendo deixadas para trás na nova economia de energia.


O cumprimento da meta de triplicar as energias renováveis depende da ação rápida nesse sentido. Portanto, é fundamental que os países invistam nesse setor e adotem medidas que promovam a transição para fontes de energia mais limpas e sustentáveis. Somente dessa forma poderemos alcançar um futuro energético mais resiliente e contribuir significativamente para a mitigação dos impactos das mudanças climáticas.”


“Esse relatório é parte fundamental do acompanhamento da AIE sobre os resultados energéticos da COP28. Nos próximos anos, continuaremos a monitorar os avanços e as políticas dos países nesse sentido. Nossa prioridade é cumprir os cinco pilares estabelecidos: triplicação das energias renováveis, duplicação da eficiência energética, redução das emissões de metano, abandono dos combustíveis fósseis e aumento do financiamento para economias emergentes e em desenvolvimento. Nosso objetivo é analisar de perto o cumprimento das promessas e a implementação das políticas apropriadas pelos países.


Para triplicar as energias renováveis até 2030, é necessário adotar abordagens específicas que variam de acordo com o país, região e tecnologia. O relatório apresenta um caso acelerado, no qual a implementação rápida de políticas impulsiona um crescimento de 21% além da previsão principal na capacidade de energia renovável. Essa abordagem permitiria que o mundo estivesse no caminho certo para cumprir o compromisso global de triplicação.”


Nas grandes economias emergentes, enfrentamos desafios como incerteza política em meio a fragilidades econômicas, falta de investimento em infraestrutura de rede para acomodar maiores quantidades de energias renováveis e barreiras administrativas e atrasos burocráticos. Em outras economias emergentes e em desenvolvimento, acesso ao financiamento, boa governança e quadros regulatórios sólidos são essenciais para reduzir riscos e atrair investimentos, incluindo o estabelecimento de metas e políticas em países que ainda não o fizeram.


Espera-se que a capacidade de energia solar fotovoltaica e eólica terrestre mais que dobre nos Estados Unidos, União Europeia, Índia e Brasil até 2028, em comparação com os últimos cinco anos. Os preços dos painéis solares fotovoltaicos têm diminuído significativamente, com reduções de custos e implantação rápida previstas para continuar. No entanto, a indústria eólica (exceto na China) enfrenta desafios devido a perturbações na cadeia de abastecimento, custos mais altos e prazos de licenciamento longos, exigindo atenção política.


O relatório também analisou os projetos de hidrogênio renovável anunciados, avaliando sua probabilidade de avanço. Dos projetos anunciados em todo o mundo para produção de hidrogênio renovável nesta década, espera-se que apenas 7% da capacidade proposta esteja operacional até 2030. A lentidão na tomada de decisão de investimento e o aumento dos custos de produção têm levado a um progresso mais lento em muitos projetos. Para atrair investidores, os anúncios precisam ser acompanhados por políticas consistentes de apoio à demanda.


Em suma, é evidente que ainda há desafios a serem superados para alcançar as metas de triplicar as energias renováveis. É fundamental que os governos atuem vigorosamente para remover obstáculos, fornecer suporte financeiro e criar um ambiente favorável para a implantação de energias limpas e sustentáveis. A transição energética é um desafio global que requer ação colaborativa e decisiva de todas as partes interessadas.


No ano de 2023, os biocombustíveis também passaram a ser valorizados. Prevê-se que as economias emergentes, como o Brasil e a Índia, impulsionem 70% da demanda global nos próximos cinco anos, uma vez que os biocombustíveis começam a demonstrar todo o seu potencial em setores desafiadores de reduzir, como viagens aéreas e como substitutos de combustíveis altamente poluentes, como o diesel. Apesar do aumento na adoção de biocombustíveis, o relatório indica que isso não está ocorrendo com a velocidade necessária, sendo crucial um crescimento significativo na demanda até 2030 para alinhar os biocombustíveis com uma trajetória de emissão zero.

12 visualizações1 comentário

1 comentário

Avaliado com 0 de 5 estrelas.
Ainda sem avaliações

Adicione uma avaliação
Avaliado com 5 de 5 estrelas.

Muito bom

Curtir
bottom of page